Todas as faces de Andy Warhol


“Andy Warhol - From A to Z and Back Again” ocupa três andares do Museu de Arte Moderna de San Francisco (SF Moma). Com mais de 300 obras assinadas por um dos maiores nomes da Arte Moderna, a mostra se espalha por três andares do museu e apresenta trabalhos produzidos durante os 40 anos de carreira de Warhol (1928-1987). A exposição fica em cartaz somente até segunda-feira.


Organizada pelo Whitney Museum of American Art, de Nova York, essa é a primeira retrospectiva do trabalho do artista feita nos Estados Unidos desde 1989. Incluindo 12 obras exclusivas do SF Moma, a exposição se concentra no quarto andar do museu. Lá, podemos conferir as mais conhecidas obras da Pop Art de Andy Warhol dos anos 1960. “Dick Tracy” é um dos primeiros quadros a aparecer, seguido por outros trabalhos famosos, como “Green Coco-Cola Bottles” e a escultura “Brillo Boxes”.


Os retratos de celebridades como Elvis Presley, Marlon Brando, Jacqueline Kennedy, Mao Tse Tung, Debbie Harry, Marylin Monroe e Pelé são outros destaques do quarto andar. Trabalhos mais sombrios, mas nem por isso menos importantes, como "Big Electric Chair" e "Gun”, estão no mesmo piso. As ilustrações comerciais feitas nos anos 50 que deram início à carreira de designer de Warhol e outros trabalhos em papel - entre eles capas de revistas e de discos -, além de algumas experimentações cinematográficas também podem ser conferidas na mostra, que ainda ocupa parte do segundo e do quinto andares.

Nascido em Pittsburgh, na Pensilvânia, em 1928, Andrew Warhol, como Andy Warhol foi registrado, era filho caçula de dois imigrantes eslovacos. Foi uma criança doente e passou muito tempo de cama, o que o afastou das crianças, mas o aproximou dos desenhos, do rádio e do culto às celebridades. Com 17 anos, entrou para o Instituto de Tecnologia de Carnegie, em Pittsburgh, e se graduou em Design. Depois de formado foi morar em Nova York, onde trabalhou para várias revistas e começou a deslanchar como artista. Sua primeira exposição individual aconteceu em 1952. A personalidade única e cuidadosamente elaborada, a vontade de experimentar técnicas nada convencionais de produção artística, a apropriação de imagens comuns da vida contemporânea, seu envolvimento com as celebridades e com as questões sociais de seu tempo fizeram dele um divulgador da importância do papel do artista na sociedade. Indo à exposição do SF Moma dá para entender bem o porquê.


Roda . Lilly Green